RELEITURA: Negrinha de Monteiro Lobato

Mas a dura lição da desigualdade humana lhe chicoteou a alma.

Se trata de uma releitura. Eu cheguei a publicar um post sobre esse conto na primeira leitura que fiz, quando o blog estava hospedado no blogger (republicado aqui), mas novas reflexões surgiram.

Não importa o tamanho do texto, um conto, uma poesia que seja, quando o mesmo é bom, em cada releitura aquilo se expande muitas vezes em uma nova percepção. O texto se transforma, ou transforma-nos. 

Negrinha é um conto que te puxa para dentro dele e então te joga no chão. Profundo. Duro. Triste. Impossível de se manter distante, frio enquanto se lê.

A narrativa é impecável. Tudo está no seu lugar para funcionar e causar o efeito que causa no leitor, não dá para tirar nem acrescentar.

A menina preta sem nome. A senhora branca de sobrenome. A alma do ser humano é revelada, a miséria de todos nós. Podemos ser a menina, podemos ser a senhora. Mas podemos também é verdade: ser o padre, as sobrinhas, os outros personagens passivos a tudo aquilo, aqueles que não fazem nada a não ser achar cômico ou enaltecer os egos. Não importa. Até nossa desigualdade é uma questão de misérias.

O padre, é preciso deter-se aqui. Lobato mostra como os seres mais terríveis podem revestir-se, esconder suas maldades, sob a capa da religiosidade. Um flagrante.

KELLY OLIVEIRA BA.


– Pintura: “Fascinação”, Pedro Peres, 1909

Leia grátis: aqui

11 Comments

  1. Não conheço a autora e logicamente o conto, mas pareceu-me uma forte crítica os defeitos da sociedade estabelecida.
    Relativamente ao comentário que fez num artigo mais antigo de Geocrusoe, é verdade que mesmo em livros o blogue já tem um arquivo grande de resenhas e com vários anos.
    Já li vários Afonso Cruz, um escritor original que gosta de misturar situações históricas e reinterpretá-los com imaginação e criatividade. O romance dele que mais gostei foi “A boneca de Kokoschka” e enquadra-se neste género. Com um estilo bem mais juvenil “Os livros que devoraram meu pai” tem o interesse de falar de aspetos contidos em vários grandes clássicos da literatura de forma a cativar o leitor para essas leituras.
    Alguns livros dele valeram mais pela forma do que pelo conteúdo da mensagem que era pouco, mas escreve muito bem.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

  2. Li esse conto no livro de aniversário de 3 anos da TAG, e ele me destruiu.
    è muito como você diz, podemos, muitas vezes, não ser a megera que é a vilã mais visível da história, mas nossa omissão nos torna cúmplices das injustiças

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s