Resenha conto: Olhos D´água de Conceição Evaristo

As labaredas, sob a água solitária que fervia na panela cheia de fome, pareciam debochar do vazio do nosso estômago, ignorando nossas bocas infantis em que as línguas brincavam a salivar sonho de comida.

Vamos lá tentar falar desse conto. Difícil confesso.

Me deparei com Olhos D´Água numa estante da biblioteca pública Luiz Bessa e decidi que era a hora. Resolvi ler, pois desde o seu lançamento em 2014, vi nas redes uma enxurrada de indicações e comentários sobre essa coletânea de contos. A autora, Conceição Evaristo, nasceu em 1946 e é mineira de Belo Horizonte.

Comecei a leitura pelo conto que dá título ao livro e é por onde parei também, então, os comentários abaixo se referem somente a esse conto:

Olhos D´água é narrado em primeira pessoa por uma moça/mulher a qual não é citado o nome – aliás não é citado o nome de nenhum dos personagens – que diz ter acordado uma noite com uma estranha inquietação em sua mente: ela não se lembrava qual era a cor dos olhos da mãe. A partir disso, ela vai rememorar um pouco da sua infância, da sua mãe, da vida da família na pobreza… narrando alguns acontecimentos do passado até chegar no presente.

A escrita da Conceição Evaristo é muito bonita e poética. O conto é envolvente, tocante. O título e como ele é trabalhado na narrativa é perfeito, sensacional mesmo. Enquanto lia, eu consegui visualizar muitas cenas dos jornais, das invasões aqui de Minas – que não vou detalhar para não estragar a leitura de ninguém -, sem dúvida a leitura de Olhos D’Água é capaz de transportar qualquer leitor para fora da sua zona de conforto: mesmo aqueles que estiverem de alguma forma no contexto revelado. Pois, olhar para a pobreza e misérias humanas através da literatura é olhar por um espelho.

Todavia, entretanto, porém…

Todavia achei o conto planfetário. Explico: Apesar de considerar, na minha pequena experiência de leitora, que não existe imparcialidade na literatura, sempre nos livros vão aparecer as opiniões – e essas as vezes políticas – dos seus autores, apesar disso: no meu ponto de vista, há uma grande diferença entre literatura com opinião e literatura panfletária. Espero não ter dito algo muito confuso. E portanto, pelo que já li e ouvi sobre a autora, já esperava um apelo das ideias relacionadas ao “movimento negro” e ao “feminismo”. O que eu não esperava era encontrar um apelo tão forte as religiões de matriz africana. Vejam só. Realmente é um conto demarcado não só politicamente, mas fortemente de forma religiosa.

Tenho que dizer, não gosto de literatura apelativa assim, panfletária. E observe: não são os temas; mas a maneira como estes são retratados. Para mim isso quebra qualquer obra literária, INCLUSIVE as de cosmovisão cristã. Em termos claros: gente!!! literatura é literatura, sermão é sermão, aula é aula… é bom não confundir.

Para finalizar: Eu gostei da escrita da autora, mas acho difícil eu voltar a ler Conceição Evaristo, ao menos por agora.

Ah! Lembro a todos que esse mês estou dedicada ao projeto n-estórias 😉 Confira todos os contos lidos no post do projeto.


+info: Conto: OLHOS D´AGUA | Autora: Conceição Evaristo | Edição lida: Pallas, 2014

Classificação: 3 | Compre: aqui | Skoob: aqui


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s