A Primeira-Dama da Reforma de Ruth A. Tucker #82

Martinho era conhecido pelas suas palavras, Catarina, pelo seu trabalho.”

Bom, bom seria se eu tivesse publicado esse post dia 31/10, mas também não seria eu a autora desse blog, desde sempre sou péssima para produzir conteúdo temático. Além disso, não li esse livro pensando no mês de comemoração da Reforma. Li por causa desse outro: “A Feminilidade Bíblica e a Esposa de Lutero”. De forma que, o que escrevo hoje complementa o que comecei a comentar no post anterior.

A Primeira-Dama da Reforma de Ruth Tucker, é um exemplo do que a autora brasileira Valdecélia Martins denunciou no livro mencionado: sobre a tentativa de algumas mulheres cristãs com um pé (ou os dois) no feminismo, de levantar a vida de mulheres como Catarina Von Bora e outras da Reforma Protestante, como verdadeiras revolucionárias.

Sim! Ruth Tucker faz isso. Pretendendo escrever uma biografia de Catarina Von Bora e na falta de registros históricos sobre a mesma, como ela alega, usou e abusou dos seus achismos, suposições, viagens e imaginações sobre uma Catarina empoderada.

Todavia, nem tudo está perdido para esse livro. Eis dois motivos pelos quais não abandonei e gostei da leitura:

Um, pelos registros históricos de Lutero. A autora cita vários trechos de cartas que Lutero escreveu para Catarina e outras pessoas, vários trechos dos seus escritos, e ainda, trechos de cartas de amigos endereçadas a Lutero, que são relevantes por si mesmos. Na leitura, acima da opinião da autora, esses registros vão falando e contando a história, oferecendo ao leitor a oportunidade de conhecer um pouco das vivências ou os bastidores da reforma.

Dois e o melhor: a) no capítulo sete pelos vários registros como mencionado, ver a autora, mesmo com toda ginástica que ela tenta fazer para diminuir ou tentar passar uma ideia negativa desse papel, ter que elogiar a maternidade de Catarina. Pois é impossível falar da esposa de Lutero sem destacar seu papel como mãe não só dos filhos biológicos, mas dos vários e vários órfãos que moravam junto com a família. Nas palavras da própria autora: “…a vida de mãe, a faceta mais importante de sua vida.” b) Igualmente, no capítulo oito e nove, Tucker mesmo tentando aqui e lá pintar um quadro horrendo de Lutero (não que ele não tivesse muitos problemas e defeitos), foi obrigada pela lógica de sua própria narrativa histórica, a admitir que Martinho Lutero foi um bom marido para Catarina e um bom pai para os seus filhos.

Dificilmente algo escrito sobre Martinho Lutero, sua esposa e a reforma, não será interessante. Principalmente se bem escrito como é o caso desse livro. Como John Piper diz em sua obra “Pense”, a regra de ouro do leitor deve ser entender o que autor quis dizer retirando o que é bom. Apesar de não concordar com muitas das opiniões mirabolantes da autora, gostei do livro e o recomendo com ressalvas.

Sei que talvez você chegou aqui nesse post procurando fatos sobre a vida de Catarina. Meu propósito aqui foi comentar minha opinião geral sobre a biografia quanto obra. Porém está sim nos meus planos escrever sobre a vida de Catarina, vamos ver se sai.


+INFO LIVRO: A Primeira-Dama da Reforma: a extraordinária vida de Catarina Von Bora | Autora: Ruth A. Tucker | Thomas Nelson Brasil, 2017 | 202 páginas

Classificação: 4/5

Comprar: Amazon, Estante Virtual

 Instagram | Skoob | Goodreads | Listography  | Twitter | Medium

2 comentários em “A Primeira-Dama da Reforma de Ruth A. Tucker #82

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s