Posts de Ana Margarida

Caminho vida fora, num passo de cada vez, tendo esperança no presente, e da vida que está por vir.

Maria e Ana

Com saudades de usar as palavras, fui instigada a escrever sobre quem amo. Ela faz parte do meu mundo muito antes de eu nascer e sempre acreditou em mim, até quando muitos já davam o caso por perdido. Estou a falar da minha Maria, a minha avó. A vida tem nos levado a estar cada vez mais próximas, mais unidas. Ela carrega a sabedoria de anos e que o próprio Deus lhe dá, marcas de uma vida de luta e de suaves vitórias. E eu carrego a força e a determinação que herdei dela e da minha mãe, e que o próprio Deus me dá.

Continue reading →

Identificação

­­­­Consideraram-te bastardo, sem saberem que eras filho do próprio Deus que eles tão zelosamente faziam menção de falar. Viveste pacientemente segundo a cultura em que nasceste, porque sempre fez parte de ti respeitar os homens e as suas formas de estar, de viver.

Continue reading →

Primavera

O ano iniciou-se com uma aventura inexplicável. Foi me dito que seria o momento em que viveria uma nova estação. Que viveria a Primavera. Confesso que me empolguei, cheguei mesmo a chorar de tanta emoção. Mal sabia eu o que me esperava. Por um momento, esqueci-me completamente que ainda vivia um intenso Inverno de memórias trágicas. Mentiras, palavras malditas… que me paralisavam entre as paredes desalinhadas de gelo e medo.

Continue reading →

As Crónicas de Nárnia: O Cavalo e o Seu Rapaz

Finalmente, tenho uma crónica nas minhas mãos! Esta trata-se da terceira crónica seguida da crónica “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”. Aqui, Nárnia já existe e a sua fama é bem aclamada. Porém, Xassta faz parte do pequeno grupo de pessoas que nunca ouviu falar de Nárnia. Na verdade, o rapaz não sabe a sua história. Nem de onde veio e nem para onde vai.

Continue reading →

Um novo significado

As memórias devem ser preservadas, ainda que dolorosas. Não o digo sem piedade ou com desprezo da jornada de cada pessoa, mas porque existe beleza na transformação da qual elas podem ser alvo. Se eu dissesse que Deus não deseja que as tuas memórias sejam apagadas – mesmo que sejam as piores de todas – acharias que estava a ser um Deus injusto? Pois é… eu própria ainda tenho uma visão muito fatalista da vida. Deste modo, o meu objectivo não é que se sintam mal, mas que me acompanhem no que aprendi há algumas semanas atrás.

Continue reading →

Filhos da Violência

Uma autoridade que abusa não nos faz ver Deus como protector. Lutamos a vida inteira com as imagens que insistem em ficar gravadas na nossa mente. Dizemos vezes sem conta, para nós mesmos, que já passou. Já não voltará a acontecer. Mas só Deus sabe o quanto lutamos com o sentimento de culpa, medo e pânico. Esses foram os sentimentos a que ficámos expostos sem saber como lidar com eles. Não estavámos preparados… não fomos criados para isso.

Continue reading →

Vivo

Não queria atravessar crises existenciais. O melhor mesmo era saber todas as técnicas para lidar com a ansiedade e o pânico. Ou, até mesmo, compreender na plenitude quem sou eu.

Continue reading →