Não há nada novo debaixo do céu

Perón estava se esforçando ao máximo para seguir os estilos de Mussolini e Hitler em seu governo. Ele era o paladino dos operários e das classes sociais mais baixas, que lhe garantiam o apoio popular. Em contrapartida, o Estado controlava com mão de ferro o movimento sindical e a imprensa, que constantemente tinha alguns dos seus órgãos censurados ou fechados. O governo promoveu perseguições aos opositores, geralmente os colocando na cadeia ou forçando o exílio. No campo econômico, ele aplicou uma política extremamente patriota, nacionalizando as ferrovias e muitos serviços públicos. Ele usou de todos os mecanismos para o Estado intervir a favor da industrialização do país, criando o Banco Industrial, e usando da proteção tarifária para proteger as indústrias argentinas, assim como atrair novas empresas.

Do livro: Rota de Fuga: a história não contada da SS, Maurício Munhoz. Chiado Books, 2015, 240p.

A Terra do Nunca

De todas as ilhas deliciosas que existem, a Terra do Nunca é a mais aconchegante e compacta; não é grande e espalhada, sabe?, com aquelas distâncias chatas entre uma aventura e outra. É bem apertadinha. Quando você brinca nela durante o dia, usando as cadeiras e a toalha da mesa, ela não é nem um pouco assustadora. Mas, nos dois minutos antes de você ir dormir, ela fica quase, quase real. É por isso que a gente deixa uma luzinha acesa no quarto durante a noite.

Do livro: Peter Pan, de J.M. Barrie, 1911. Zahar, 2012, 224p.