Apontamentos: Percepção da vida e a oração

A percepção sobre as circunstâncias da vida é totalmente diferente quando se tem oração. A maneira como uma pessoa de oração enxerga as coisas é totalmente diferente daquela que não ora, ou não ora constantemente. Para quem tem oração, não há impossibilidades e sim temas para levar a Deus em oração. O medo perdura somente no intervalo entre aquele em que ele aparece, e aquele em que se dobra os joelhos. Não se tem camuflada a necessidade da alma, nem a mesma embriagada com prazeres dessa vida na tentativa de esconder-se o vazio, pois sabe-se que o que a alma necessita e a unica coisa que a preencherá é a presença de Deus que se tem pela oração. Não há problemas insolúveis, pois sabe-se esperar pela sabedoria ou providência em oração. O coração não se desespera diante do dia mal por não saber o sentido daquilo, pois se tem certeza na oração, do propósito de todas as coisas. As lágrimas não são encaradas como vãs, mas como agradáveis na oração – por vezes um consolo. A incapacidade, a fraqueza, a frustração… aparecem no coração, mas nunca são capazes de abater de forma completa aquele que ora, pois tais sentimentos ajudam a formar as palavras sinceras de oração; que é ouvida, e a alma visitada, reconfortada, edificada, levantada e cheia de esperança.

 

Apontamentos: Eu tenho a oração

Não, eu não tenho tudo o que queria. Me falta várias coisas. As vezes até mesmo a força para enfrentar um novo dia. Não tenho a sabedoria que gostaria para resolver meus problemas ou para discernir o que acontece ao meu redor… Não tenho a compreensão necessária e nem a devoção para escolher o caminho. Me falta na verdade, tudo, e não tenho nada do que realmente preciso, pois quase tudo o que julgamos ter nessa vida, não passa de castelos de areia e não me refiro a nenhum deles agora. Contudo, foi pensando nesse nada ou nessa falta constante que descobri que tenho uma coisa. Eu tenho a oração. Não importa como eu me sinta ou quão confusa esteja. Fraca e necessitada. Doente e desanimada. Em meio as sombras internas ou externas. Na bonança ou no caos. Eu tenho isso, eu tenho a oração… uma união a Deus, onde os céus e a terra se encontram dentro do meu coração. Ele sempre me ouve e sempre ouvirá. Que confiança é essa, pode se perguntar. Sim uma grande confiança. Nossa união, nossa oração – nossa pois Ele também fala – começou no Calvário, no pacto de sangue de Jesus Cristo, ali mesmo quando o véu foi rasgado. Eu tenho o acesso livre, tenho a oração. Isso basta para as minhas faltas.

Resenha livro: Celebração da Disciplina de Richard Foster

“Na sociedade contemporânea nosso Adversário se especializa em três coisas: ruído, pressa e multidões. Se ele puder manter-nos ocupados com “grandeza” e “quantidade”, descansará satisfeito”. 

Continue reading →