Onde está Deus quando chega a dor? (introdução + cap.1)

“Onde está Deus quando chega a dor?” foi o primeiro livro publicado pelo jornalista americano Philip Yancey, em 1977. O mesmo foi ampliado e atualizado pelo autor, ganhando uma nova edição em 1990.

O livro é dividido em 5 partes e tem por tema central o problema do sofrimento. Esse é o primeiro post de uma série, que formarão um resumo comentado da obra.

Continue reading →

As melhores leituras de 2019 – não ficção

Olá! Final de ano é sempre uma mistura de emoções, uma rememoração do que foi o ano que se passa e uma expectativa pelo que há de vir. Eu particularmente gosto de viradas de ano. Que a gratidão a Deus pela oportunidade de cada dia seja o nosso maior grito. Esse é também o momento das várias listas rss. E aqui vai a minha lista de melhores leituras do ano, uma lista que sempre acaba refletindo um pouco do que foi o meu ano.

Continue reading →

Leituras de julho 2019

No mês de julho eu li o livro de Gênesis. Um mergulho, principalmente nos capítulos relacionados à Jacó.

De todos os patriarcas, em termos de história, de acontecimentos de vida, Jacó é aquele que menos nos inspira, porém sem dúvida, aquele com quem mais nos identificamos – pelo menos é assim comigo.

Continue reading →

PROJETO DE LEITURA: Lendo Philip Yancey

Olá a todos. Digamos que esse post é a oficialização da minha meta de ler toda a obra do Philip Yancey (escritor e jornalista cristão americano, nascido em 1949). Um projeto literário, vou colocar assim.

Continue reading →

O autodomínio é construído…

O autodomínio é construído quando você corre mais do que correu antes, quando sobe uma montanha mais alta do que qualquer outra, quando toma um banho de sauna e depois rola na neve. As aventuras por si mesmas provocam alegria; por outro lado o desafio, o risco e a dor se combinam para estimular uma confiança que pode servir muito bem em tempos de crise.

Do livro: Paul Brand e Philip Yancey. A Dávida da Dor. Editora Vida, 2005, 436p

Leituras de abril 2019

Olá! Nesse post então, compartilho o que li nesse longo mês de abril:

Continue reading →