Eu venho das margens da dor…

Continue reading →

Levantamos para labutar…

“Levantamos para labutar e deitamos para dormir, e a noite é apenas uma pausa entre um fardo e outro. O medo é nosso companheiro de cada dia – medo da carência, medo da guerra, medo de uma morte cruel e de uma vida ainda mais cruel. Mas poderíamos suportar tudo isso se soubéssemos não estar sofrendo em vão; que Deus está ao nosso lado na luta, partilhando das misérias de seu próprio mundo.” – Jesus. Calvário. Ele está ao nosso lado!

Do livro: Philip Ryken. Quando os problemas aparecem. Editora Fiel, 2018, 196p – grifo nosso

A túnica colorida e o plano de Deus…

O que teria acontecido, na história do mundo, se Jacó não tivesse dado a José uma túnica colorida? Se não houvesse a inveja, não haveria a venda traiçoeira de José para os mercadores midianitas. Sem a venda traiçoeira, não haveria nenhuma descida ao Egito. Sem a descida ao Egito, não haveria nenhum encontro com Potifar. Sem o encontro com Potifar, não haveria nenhum problema com sua esposa. Sem o problema com sua esposa, não haveria nenhuma prisão de José. Sem a prisão de José, não haveria nenhuma interpretação de sonhos de Faraó. Sem a interpretação dos sonhos de Faraó, nenhuma elevação de José à função de primeiro-ministro. Sem a elevação à primeiro-ministro, nenhuma reconciliação com os irmãos de José, nenhuma migração do povo judeu para o Egito. Sem a migração para o Egito, nenhum êxodo do Egito. E, sem o êxodo do Egito; nenhum Moisés, nenhuma lei, nenhum profeta – e nenhum Cristo! Você acha que foi um acidente no plano de Deus o fato de que aquela túnica aconteceu? Deus planejou tudo para o bem.

Do livro: R.C. Sproul. Deus controla tudo?, 2013, 69p.

O gosto das pessoas…

“Acho que não existe explicação para o gosto das pessoas”, disse ela.

“É verdade”, disse Denise. “Mas existe o bom gosto e outros que não são tão bons assim.”

[…]

“É o que todo mundo acha”, disse Enid. “Todo mundo acha que tem mais bom gosto do que os outros.”

“Mas a maioria das pessoas está enganada”, disse Denise.

“Todo mundo tem direito ao seu próprio gosto”, disse Enid. “Todo mundo tem direito a voto nesse país.”

“Infelizmente!”

Do livro: Jonathan Franzen. As Correções. Companhia das Letras, 2011, 586p.

Jó foi tentado a amaldiçoar a Deus e morrer…

“Jó foi tentado a amaldiçoar a Deus e morrer. Isaías estava desfeito. Davi estava abatido. Elias pediu a Deus que tirasse a sua vida. Esses homens não eram fracos ou rebeldes; estavam simplesmente carregando o peso da vida e do ministério. Mesmo Jesus passou por uma noite escura da alma, quando perguntou se não havia alternativa à cruz, e uma tarde de grande agonia em que se sentiu desamparado pelo Pai. Tudo isso me leva a aceitar as estações de dúvida, desânimo e depressão como parte normal da vida em um mundo caído. Quando vêm as aflições, isso não quer dizer que eu sou um mau cristão, nem que Deus esteja contra mim, embora algumas vezes eu me sinta assim. Em meu tempo de tribulação, foi de imensa ajuda saber que o problema pelo qual passava acontece com a maioria dos filhos amados de Deus.”

Do livro: Philip Ryken. Quando os problemas apararem. Editora Fiel, 2018, 196p.

A ofensa faz com que…

“A ofensa faz com que fechemos o nosso espírito. Em nossos esforços para não sermos feridos novamente, construímos muros ao redor do nosso coração. Talvez achemos que esses muros nos protegem, mas na verdade eles nos impedem de receber e dar o amor de Cristo. Sem o amor Dele, nossas vidas estarão destituídas de propósito e poder. Nosso objetivo será a autopreservação e nossos atos serão cheios de egoísmo. Finalmente, nossos corações se tornarão como pedra e nossas vidas serão marcadas pela indiferença para com os outros. Isso é a antítese da mensagem do Evangelho.”

Do livro: John e Lisa Bevere. A História do Casamento “The Story of Marriage”. Editora Luz às Nações, 2015, 260p.

Aprender a amar pessoas difíceis começa com…

“Aprender a amar pessoas difíceis começa com o entendimento de que você (assim como eu) também é difícil de amar.”

“Se no fundo você sabe que não é amável e que a aceitação de Deus é completamente imerecida, então você terá uma atitude acolhedora em relação a outras pessoas não amáveis. Mas se você acredita ser uma pessoa essencialmente digna, que qualquer um seria privilegiado de conhecê-lo, então você não acolherá outras pessoas até que elas mudem e se tornem dignas… assim como você!”

“Agora, já que você é um cristão, ele o designou para estar em lugares onde pode ajudar a resgatar outros.” 

“Envolver-se pessoalmente com outras pessoas comumente não torna a vida mais fácil. Em vez disso, é quase sempre garantido que sua vida será mais difícil.” 

Do livro: William P. Smith Como amar pessoas difíceis: recebendo e compartilhando a misericórdia. Editora Fiel, 2018, 27p.

Perdão versus desculpas (Um ano com C.S.Lewis)

Continue reading →

Transformados (Um ano com C.S.Lewis)

Continue reading →

Sabe, todo dia eu leio algum texto que fala sobre como a vida das mulheres é dura…

Ele fechou a Bíblia e se recostou em sua cadeira. “Sabe, todo dia eu leio algum texto que fala sobre como a vida das mulheres é dura na sociedade de hoje. Sobre como elas têm que fazer uma porção de escolhas difíceis, sobre todas as responsabilidades que elas têm que assumir com relação a suas famílias. Elas têm que ser mães e têm que trabalhar como homens também, se é para a sociedade liberal funcionar.

“Não são só as mulheres”, disse Renée. “Os homens também têm que mudar.”

“Ah, sim, supostamente é assim que funciona. Só que a gente não ouve falar tanto sobre homens que se queixam e homens que se sentem num beco sem saída, ouve? Os homens ainda têm a possibilidade de escolha, certo? Eles podem se realizar profissionalmente e, se quiserem, podem se realizar como pais. É como se a vida estivesse melhorando para os homens, eles estão tendo opções num sentido positivo, enquanto as mulheres estão tendo todas essas opções extras num sentido negativo. Você não acha que isso é o grande paradoxo da nossa era? Que quanto mais as coisas melhoram para as mulheres no sentido político-liberal, piores as coisas ficam para elas na realidade?”


Do livro: Jonathan Franzen. Tremor (Strong Motion, 1992). Companhia das Letras, 2012, 552 páginas